segunda-feira, 1 de junho de 2015

ONDE ESTÁ, DE FATO, O HOMEM?

                                       Resultado de imagem para o homem e as suas mascaras


                                               "O homem é um animal que morre de medo".
                                                                    Luís Felipe Ponde.


Ao longo da história percebemos o quanto e como os seres que carimbamos de humanos foram se construindo. Tal construção conduziu o homem por caminhos, às vezes, claro e objetivo. Às vezes, obscuro, confuso e duvidoso, a ponto de perguntarmos: "tais ações são mesmo humanas?".

Quase todos esses caminhos levam-nos a um: o encontro do homem consigo mesmo - seja tal encontro por relação com o outro; por introspecção própria ou pelos apontamentos do próximo. Sabendo que o pressuposto é que todos os caminhos levam para o próprio homem, a problemática é a seguinte: o homem, de fato, encontrou-se? Se sim, o que encontrou em si mesmo? Na verdade, que o homem pode saber acerca de si mesmo? As possíveis respostas são:

Que é um animal racional e político, como definia Aristóteles?
Que é um dissimulador, como demonstrou Nicolau Maquiavel?
Que é um ser criado por Deus e "destinado" a amar o próximo, como pregava Jesus?
Que é "homo sapiens", como ensinavam os renascentistas?
Que é um caniço, como denunciava Pascal?
Que dúvida e por duvidar pensa, logo, existe, como escreveu René Descartes?
Que deseja cegamente, como resmungava o cético Arthur Schopenhauer?
Que em nome do poder é um bárbaro, como vimos na primeira e segunda guerras mundiais?

A pergunta: "quem é o homem e o que ele pode saber sobre si mesmo?" não foi esgotada, penso! Há muitos labirintos inerentes ao homem que não foram descobertos e encerrados. Portanto, cabe fazermos diferentes perguntas das quais já foram feitas, a fim de obtermos diferentes respostas e, portanto, chegarmos a um novo pensamento acerca do ser que tudo gira em torno. 

Quem se candidata? Eu me candidato! Portanto, uma vez que a história demonstrou-nos as diversas máscaras humanas, ainda tentaremos encontrar uma definição que abarque a pluralidade que é o homem? 

Sim. Mas, dessa vez, o conceito será de acordo com o seu por e tirar das máscaras . Em suma, o homem é um ser condicionado a construção-descontração. Menos a qualquer tipo de definição! Pois, ele constrói-se de acordo com o seu momento histórico!

Nenhum comentário:

Postar um comentário